fbpx

Facebook cria pulseira de realidade aumentada ativada pelo cérebro

O Facebook apresentou recentemente o que pode ser o futuro da plataforma entre pessoas e computadores. A novidade consiste em
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Facebook cria pulseira de realidade aumentada ativada pelo cérebro


O Facebook apresentou recentemente o que pode ser o futuro da plataforma entre pessoas e computadores. A novidade consiste em integrar óculos de realidade virtual com ferramentas de controle, como a pulseira, para interação com realidade aumentada. O estudo é feito através do Facebook Reality Labs (FRL), voltado para soluções deste tipo dentro da empresa.

“Imagine ser capaz de se teletransportar para qualquer lugar do mundo para compartilhar experiências com as pessoas que mais importam em sua vida – não importa onde elas estejam”, disse Andrew Bosworth, que lidera a FRL. “Essa é a promessa dos óculos de realidade aumentada. É uma fusão do mundo real e do mundo virtual de uma forma que melhora fundamentalmente a vida diária para melhor”.

Assim, ao invés de voltar a atenção para a palma da mão através dos telefones celulares, os óculos verão o mundo exatamente como o ser humano o vê, colocando-o no centro da experiência de computação pela primeira vez e trazendo o mundo digital em três dimensões. “Começamos a imaginar o dispositivo de entrada ideal para óculos AR há seis anos, quando a FRL Research (então Oculus Research) foi fundada”, disse o Facebook.

Por que o pulso?

A empresa explica que o pulso é um lugar tradicional para usar um relógio, o que significa que ele pode se encaixar razoavelmente na vida cotidiana e em contextos sociais. “É um local confortável para uso o dia todo. Ele está localizado próximo aos principais instrumentos que você usa para interagir com o mundo – suas mãos. Essa proximidade nos permitiria trazer os ricos recursos de controle de suas mãos para a RA, permitindo uma interação intuitiva, poderosa e satisfatória”, diz.

Assim, a tecnologia usa sensores para traduzir os sinais elétricos enviados pelo cérebro para o pulso, permitindo ao computador entender qual comando o usuário estaria dando dentro daquela situação e contexto. “O que estamos tentando fazer com as interfaces neurais é permitir que você controle a máquina diretamente, usando a saída do sistema nervoso periférico – especificamente os nervos fora do cérebro que animam os músculos da mão e dos dedos”, diz o Diretor de Interfaces Neuromotoras da FRL, Thomas Reardon.

Interfaces adaptáveis ​​e o caminho para o clique inteligente

O FRL também está desenvolvendo pesquisas para que haja adaptatividade dos computadores em um cenário de interação constante e conectada com o mundo real. “A IA subjacente tem alguma compreensão do que você pode querer fazer no futuro”, explica Tanya Jonker, gerente de pesquisa da FRL. “Talvez você saia para correr e, com base em seu comportamento anterior, o sistema pense que você provavelmente vai querer ouvir sua lista de reprodução de corrida. Em seguida, apresenta essa opção para você no visor: ‘Tocar playlist em execução?’ Essa é a interface adaptativa em funcionamento. Em seguida, você pode simplesmente confirmar ou alterar essa sugestão”, conta.

De um modo geral, todo o projeto ainda está em fase de estudos. “Estamos tomando medidas concretas para discutir importantes questões neuroéticas em conjunto com o desenvolvimento de tecnologia. Nosso programa inclui workshops de prospectiva responsável, onde detectamos e mitigamos os danos potenciais que podem surgir de um produto, bem como workshops de inovação responsável, que nos ajudam a identificar e agir sobre possíveis problemas que podem surgir durante o desenvolvimento”.

Além disso, à medida em que o Facebook continua a explorar as possibilidades que a tecnologia oferece, também continua a envolver seus princípios de inovação responsável como a espinha dorsal de cada questão de pesquisa que busca, sendo a principal delas a de sempre colocar as pessoas em primeiro lugar.

“Este é um momento incrível, preparando o terreno para inovação e descoberta porque é uma mudança para o velho mundo”, diz Sean Keller, diretor de pesquisa da FRL. “É uma mudança nas regras que seguimos e nas quais confiamos para impulsionar a computação. E é uma das oportunidades mais ricas que posso imaginar fazer parte agora”, finalizou.



Fonte: Startupi

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Participe da conversa...

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Você é nossa prioridade.
Sempre!

Acreditamos que todos devem ser capazes de tomar decisões financeiras com confiança. Embora nosso site não apresente todas as empresas ou produtos financeiros disponíveis no mercado, estamos orgulhosos de que a orientação que oferecemos, as informações que fornecemos e as ferramentas que criamos sejam objetivas, independentes, simples – e gratuitas.

Então, como ganhamos dinheiro? Nossos parceiros nos recompensam. Isso pode influenciar os produtos sobre os quais analisamos e escrevemos (e onde esses produtos aparecem no site), mas de forma alguma afeta nossas recomendações ou conselhos, que são baseados em milhares de horas de pesquisa. Nossos parceiros não podem nos pagar para garantir análises favoráveis de seus produtos ou serviços. Aqui está uma lista de nossos parceiros.