fbpx

Startup de aviação privada recebe aporte US$ 2 milhões liderado pelo fundo Confrapar

A Flapper, empresa de aviação privada sob demanda da América Latina, anunciou hoje investimento de US$ 2 milhões na Série A, liderado pelo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
flapper


A Flapper, empresa de aviação privada sob demanda da América Latina, recebeu um investimento de US$ 2 milhões Série A, liderado pelo fundo com foco aeroespacial Confrapar. Também participaram da rodada a plataforma de crowdfunding SMU e um grupo de investidores anjo, Investidores.VC.

Além desses, investidores estrangeiros e locais, incluindo três empresas de táxi aéreo não reveladas, também participaram da rodada. A empresa já arrecadou anteriormente US$ 1 milhão, liderados pela Confrapar e ACE. Em novembro do ano passado, anunciou a captação de R$ 2,5 milhões também via equity crowdfunding.

De acordo com Paul Malicki, CEO da Flapper, o capital será usado principalmente para promover a expansão internacional da empresa na América Latina. “Provamos que o modelo de negócio baseado em voos charter sob demanda e compartilhamento de assentos, não só é escalável, mas também altamente lucrativo. Portanto, consideramos nossa Série A puramente para capital de crescimento, que pretendemos usar para replicar o sucesso de nossas operações brasileiras em outras partes da região, enquanto continuamos a desenvolver nosso produto principal e novas soluções para operadores de táxi aéreo”, disse Paul.

Paul Malicki, CEO da Flapper.

Kadu Guillaume, sócio-gerente da Confrapar e membro do conselho da Flapper, observou que a pandemia mudou fundamentalmente o setor de viagens e a Flapper está bem posicionada para democratizar ainda mais o acesso aos serviços de aviação executiva. “Vimos uma série de tecnologias disruptivas – incluindo eVTOL, aeronaves híbridas-elétricas e interfaces de compartilhamento de voo – chegando mais perto da maturidade técnica e está claro que nos próximos cinco anos iremos experimentar uma mudança fundamental na forma como a mobilidade aérea está sendo consumida”, falou o executivo, lembrando que a Confrapar já havia investido na fornecedora de armazenamento de energia Unicoba e na empresa de UAV xmobots.

Em 2020, a Flapper aumentou sua receita anual em 100%, atingindo 250.000 usuários de aplicativos móveis no final de janeiro de 2021. A empresa acumula até agora mais de 550 aeronaves com segurança avaliada em sua plataforma de fretamento e aproximadamente 55% da frota charter disponível na América Latina. É estimado que o tamanho do mercado de fretamento da América Latina seja o equivalente a pelo menos US$ 2 bilhões, dividido principalmente entre Brasil e México.

Equipe da Flapper.

Hoje, o Brasil possui uma rede de 2.457 aeroportos, dos quais cerca de 120 estão conectados pela aviação comercial. O país é considerado o segundo maior mercado de aviação executiva do mundo – atrás apenas dos Estados Unidos. A falta de tecnologia para o consumidor e de uma estratégia eficiente de distribuição de assentos resulta em um setor subutilizado, onde apenas 22% dos voos são comercializados por empresas de táxi aéreo, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

A própria pesquisa de Flapper demonstra que o Brasil tem mais de 400.000 clientes potenciais para fretamentos e 2,7 milhões de futuros compradores de pagamento por assento. O México, terceiro maior mercado mundial de aviação executiva, ultrapassou recentemente o Brasil em número de jatos particulares, mas está atrás em turbo-hélices e helicópteros.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.



Fonte: Startupi

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Participe da conversa...

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários

Você é nossa prioridade.
Sempre!

Acreditamos que todos devem ser capazes de tomar decisões financeiras com confiança. Embora nosso site não apresente todas as empresas ou produtos financeiros disponíveis no mercado, estamos orgulhosos de que a orientação que oferecemos, as informações que fornecemos e as ferramentas que criamos sejam objetivas, independentes, simples – e gratuitas.

Então, como ganhamos dinheiro? Nossos parceiros nos recompensam. Isso pode influenciar os produtos sobre os quais analisamos e escrevemos (e onde esses produtos aparecem no site), mas de forma alguma afeta nossas recomendações ou conselhos, que são baseados em milhares de horas de pesquisa. Nossos parceiros não podem nos pagar para garantir análises favoráveis de seus produtos ou serviços. Aqui está uma lista de nossos parceiros.